DAPesquisa – CEART 2011

A Poética do Conflito na obra para dois pianos En Blanc et Noir de Claude Debussy
Menan Medeiros Duwe
Guilherme A. Sauerbronn de Barros

Resumo: Essa artigo propõe uma avaliação das referências poéticas apresentadas pelo compositor francês Claude Debussy em sua obra para dois pianos composta em 1915, En Blanc et Noir, profundamente influenciada pela Primeira Guerra Mundial. A partir do artigo de Jonathan Dunsby: “The Poetry of Debussy’s En blanc et noir”, propomos a interpretação das referências, relacionando informações extramusicais, em três tipos de conflitos, um para cada movimento, circundando o nacionalismo que passa a ser afirmado com força ainda maior após o início da guerra. Para isso, investigaremos cartas trocadas na época que abordem o assunto junto com informações levantadas sobre o compositor, e proporemos relações com elementos da obra em questão, tanto no diz respeito ao seu conteúdo musical quanto ao textual que o compositor agrega a partitura de sua música. Isso mostrará a importância de uma abordagem desse tipo para sua compreensão, o que pode reforçar e embasar a construção de uma interpretação.

Palavras-chave: Debussy; En Blanc et Noir; Poética; Conflito; Primeira Guerra

http://www.ceart.udesc.br/dapesquisa/files/03MUSICA_Menan_Medeiros_Duwe2212.pdf

Trabalho de conclusão de curso

Analogias entre cinema mudo e narrativa musical: considerações poéticas e análise textural da segunda peça de En Blanc et Noir de Claude Debussy

Menan Medeiros Duwe
Orientador: Dr. Guilherme Antonio Sauerbronn de Barros

Florianópolis, 2011.

Resumo: Neste trabalho elaboramos uma discussão e uma aplicação da proposta de utilização dos recursos de edição do cinema mudo como modelo para interpretar a narrativa musical do período tardio de Claude Debussy. Discutimos as referências poéticas na obra para dois pianos En blanc et noir, de 1915 – que envolvem a situação pessoal do compositor, o impacto da Primeira Guerra Mundial sobre ele e a sua visão estética. Estabelecemos analogias entre a narrativa e as técnicas de montagem utilizadas no cinema mudo na segunda das três peças dessa música, embasando-as nas referências levantadas e em uma análise das linhas que constituem a textura musical.

Palavras-chave: En blanc et noir, Debussy, Analogia, Cinema mudo, Poética, Textura.

http://www.pergamumweb.udesc.br/dados-bu/000000/000000000012/000012A2.pdf

ANPPOM – Anais 2011

A narrativa musical no terceiro movimento da Sonata para flauta, viola e harpa de Claude Debussy.

Menan Medeiros Duwe
UDESC – Universidade do Estado de Santa Catarina – menan.md@gmail.com
Acácio Tadeu de Camargo Piedade
UDESC – Universidade do Estado de Santa Catarina – acaciopiedade@gmail.com

Resumo: Nesta comunicação apresentamos uma análise do terceiro movimento da Sonata para flauta, viola e harpa de Claude Debussy, intitulado Final. Procuraremos esclarecer a narrativa musical ali presente, mostrando os materiais temáticos que se desenvolvem partindo do conflito e chegando à conciliação e ao equilíbrio. Algumas técnicas de montagem e transição de imagens do cinema mudo serão adaptadas e usadas como ferramenta para interpretar a articulação desses elementos.

Palavras-Chave: Debussy, Sonata, Análise Musical, Forma, Cinema

Duwe e Piedade – A narrativa musical no terceiro movimento

DAPesquisa – CEART 2009

Os Cenários Moventes da Sonata para Flauta,Viola e Harpa de Claude
Debussy: considerações analíticas.

Acácio Tadeu de Camargo Piedade
Menan Medeiros Duwe

Resumo:
Neste artigo examinaremos a Sonata para flauta, viola e harpa de Claude Debussy, composta em 1915, obra da fase tardia do compositor. O artigo inicia com uma contextualização histórica na qual procuraremos retratar o compositor nesta sua última fase. Em seguida, apresentaremos uma análise do segundo movimento da sonata, Interlude. A análise leva em conta forma,harmonia, motivos e andamentos, e também adapta alguns elementos da teoria cinematográfica no sentido de compreender a música de Debussy.

http://www.ceart.udesc.br/revista_dapesquisa/volume4/numero1/musica/oscenariosmoventes.pdf

Piano em duo

Recital com os pianistas Menan Duwe e Willian Fernandes na programação da Semana Ousada de Artes UFSC & UDESC

Florianópolis, sexta-feira, 24 de setembro de 2010.

Auditório do Departamento de Música do CEART – Centro de Artes da UDESC – Universidade do Estado de Santa Catarina.

A proposta do recital foi apresentar dois compositores importantes para a música de concerto, que apesar de terem seguido uma mesma linha de concepção moderna, possuem sonoridades bastante diferentes. Há uma expressiva composição para dois pianos e peças solo que retratam as tensões do começo do século na Europa, cujo ponto alto é a primeira grande guerra.

Piano solo

Willian Fernandes

Bartók – Duas Danças Romenas op.8ª (1910)
I Allegro Vivace

Debussy – Preludio n°10 (1912)
Cathedral Engloutie (Catedral Engolida)

Bartók – Duas Danças Romenas op.8ª (1910)
II Poco Allegro

Menan Duwe

Debussy – Estudos para Piano (1915)

Pour les tierces (para as terças)
Pour lês octaves (para as oitavas)
Pour lês huit doigts (para os oito dedos)

Bartók – Sonata para Piano (1926)

I Allegro Moderato
II Sostenuto e pesante
III Allegro Molto

Dois pianos

Fernandes & Duwe

Debussy – En blanc et noir
I – Avec emportement

II – Lent. Sombre
III – Scherzando

Programa recital piano duo (SOA)

Recital de formatura

Recital de formatura no curso de Bacharelado em Música – opção piano.

Florianópolis 11 de novembro de 2011.

Auditório do Departamento de Música do CEART – Centro de Artes da UDESC – Universidade do Estado de Santa Catarina.

Programa:

Radamés Gnattali, Toccata (1944)

Igor Stravinsky,
Sonata (1924)
I – semínima = 112
II – Adagietto
III – semínima =112

 

Claude Debussy, Estudos (1915)
II – para as terças
V – para as oitavas

Béla Bartók, Sonata (1926)
I – Allegro moderato
II – Sostenuto e pesante
III – Allegro molto

Duwe – Programa recital de formatura