Sobre Menan Duwe

Estudante e professor de música. Pianista e compositor.

ANPPOM – Anais 2011

A narrativa musical no terceiro movimento da Sonata para flauta, viola e harpa de Claude Debussy.

Menan Medeiros Duwe
UDESC – Universidade do Estado de Santa Catarina – menan.md@gmail.com
Acácio Tadeu de Camargo Piedade
UDESC – Universidade do Estado de Santa Catarina – acaciopiedade@gmail.com

Resumo: Nesta comunicação apresentamos uma análise do terceiro movimento da Sonata para flauta, viola e harpa de Claude Debussy, intitulado Final. Procuraremos esclarecer a narrativa musical ali presente, mostrando os materiais temáticos que se desenvolvem partindo do conflito e chegando à conciliação e ao equilíbrio. Algumas técnicas de montagem e transição de imagens do cinema mudo serão adaptadas e usadas como ferramenta para interpretar a articulação desses elementos.

Palavras-Chave: Debussy, Sonata, Análise Musical, Forma, Cinema

Duwe e Piedade – A narrativa musical no terceiro movimento

Publicidade

DAPesquisa – CEART 2009

Os Cenários Moventes da Sonata para Flauta,Viola e Harpa de Claude
Debussy: considerações analíticas.

Acácio Tadeu de Camargo Piedade
Menan Medeiros Duwe

Resumo:
Neste artigo examinaremos a Sonata para flauta, viola e harpa de Claude Debussy, composta em 1915, obra da fase tardia do compositor. O artigo inicia com uma contextualização histórica na qual procuraremos retratar o compositor nesta sua última fase. Em seguida, apresentaremos uma análise do segundo movimento da sonata, Interlude. A análise leva em conta forma,harmonia, motivos e andamentos, e também adapta alguns elementos da teoria cinematográfica no sentido de compreender a música de Debussy.

http://www.ceart.udesc.br/revista_dapesquisa/volume4/numero1/musica/oscenariosmoventes.pdf

Piano em duo

Recital com os pianistas Menan Duwe e Willian Fernandes na programação da Semana Ousada de Artes UFSC & UDESC

Florianópolis, sexta-feira, 24 de setembro de 2010.

Auditório do Departamento de Música do CEART – Centro de Artes da UDESC – Universidade do Estado de Santa Catarina.

A proposta do recital foi apresentar dois compositores importantes para a música de concerto, que apesar de terem seguido uma mesma linha de concepção moderna, possuem sonoridades bastante diferentes. Há uma expressiva composição para dois pianos e peças solo que retratam as tensões do começo do século na Europa, cujo ponto alto é a primeira grande guerra.

Piano solo

Willian Fernandes

Bartók – Duas Danças Romenas op.8ª (1910)
I Allegro Vivace

Debussy – Preludio n°10 (1912)
Cathedral Engloutie (Catedral Engolida)

Bartók – Duas Danças Romenas op.8ª (1910)
II Poco Allegro

Menan Duwe

Debussy – Estudos para Piano (1915)

Pour les tierces (para as terças)
Pour lês octaves (para as oitavas)
Pour lês huit doigts (para os oito dedos)

Bartók – Sonata para Piano (1926)

I Allegro Moderato
II Sostenuto e pesante
III Allegro Molto

Dois pianos

Fernandes & Duwe

Debussy – En blanc et noir
I – Avec emportement

II – Lent. Sombre
III – Scherzando

Programa recital piano duo (SOA)

Recital de formatura

Recital de formatura no curso de Bacharelado em Música – opção piano.

Florianópolis 11 de novembro de 2011.

Auditório do Departamento de Música do CEART – Centro de Artes da UDESC – Universidade do Estado de Santa Catarina.

Programa:

Radamés Gnattali, Toccata (1944)

Igor Stravinsky,
Sonata (1924)
I – semínima = 112
II – Adagietto
III – semínima =112

 

Claude Debussy, Estudos (1915)
II – para as terças
V – para as oitavas

Béla Bartók, Sonata (1926)
I – Allegro moderato
II – Sostenuto e pesante
III – Allegro molto

Duwe – Programa recital de formatura

Cordas d’água para orquestra de cordas

Tenho pensado a música em suas propriedades narrativas, com enredos que permitem reunir diversos eventos musicais, naturalmente abstratos, como a música instrumental tende a ser, por sua essência, mas que transmitem sugestões e devaneios de maneira única. Essa obra se propões a ser uma expressão dessa forma de pensar e, inevitavelmente, uma sugestão de como escutar a música ao dedicarmos uma parte de nosso tempo à performance musical exclusivamente.

Florianópolis, outono de 2011.

duração aproximada: 7 minutos

Duwe – Cordas d’água

Duas performances:
– em Setembro de 2011, pela Orquestra de Cordas da Unisul, em Florianópolis
– em Novembro de 2013, pela Orquestra de Cordas da Universidade Federal da Paraíba, em João Pessoa, sob a regência de Eli-Eri Moura.

Entre em contato caso tenha interesse de interpretar essa peça.

Fantasia para oboé solo (ou violino)

Como em um monólogo pessoal, essa obra fantasia um discurso que contempla a multiplicidade de eventos da loucura cotidiana, moldando o tempo e suas relações de pulso.

Florianópolis, outono de 2010.

duração aproximada: 6 min

Duwe – Fantasia para oboé solo

Ela possui uma performance que aconteceu no VIII ENCUn – Encontro Nacional de Compositores Universitários, em 2010.

Entre em contato se tiver interesse de interpretar essa peça.