Cordas d’água para orquestra de cordas

Tenho pensado a música em suas propriedades narrativas, com enredos que permitem reunir diversos eventos musicais, naturalmente abstratos, como a música instrumental tende a ser, por sua essência, mas que transmitem sugestões e devaneios de maneira única. Essa obra se propões a ser uma expressão dessa forma de pensar e, inevitavelmente, uma sugestão de como escutar a música ao dedicarmos uma parte de nosso tempo à performance musical exclusivamente.

Florianópolis, outono de 2011.

duração aproximada: 7 minutos

Duwe – Cordas d’água

Duas performances:
– em Setembro de 2011, pela Orquestra de Cordas da Unisul, em Florianópolis
– em Novembro de 2013, pela Orquestra de Cordas da Universidade Federal da Paraíba, em João Pessoa, sob a regência de Eli-Eri Moura.

Entre em contato caso tenha interesse de interpretar essa peça.

Fantasia para oboé solo (ou violino)

Como em um monólogo pessoal, essa obra fantasia um discurso que contempla a multiplicidade de eventos da loucura cotidiana, moldando o tempo e suas relações de pulso.

Florianópolis, outono de 2010.

duração aproximada: 6 min

Duwe – Fantasia para oboé solo

Ela possui uma performance que aconteceu no VIII ENCUn – Encontro Nacional de Compositores Universitários, em 2010.

Entre em contato se tiver interesse de interpretar essa peça.